martes, 30 de junio de 2009

pessoazinhas

Estava, de carro, a aproximar-me de uma passadeira para peões. Avistei uma senhora com um carrinho de bebé. Percebi (conscientemente) que tinha tempo suficiente para passar antes da senhora se preparar para fazer a travessia, mesmo que ela estivesse artilhada de um carborador potentíssimo.
Passo e ouço a senhora a praguejar: "Isto é uma passadeira!"
Não havia como atropelá-la, nem que ela desatasse a correr para a passadeira!

Este "zelo" despropositado irrita-me porque tem o mesmo sabor da injustiça!
Apetecia-me explicar à senhora que, sabendo ela tão bem quanto eu que a sua segurança e a do bebé não estava a ser ameaçada, deveria ter uma atitude mais cívica, já que parar o carro naquela situação implicaria mais gastos de combustível e mais CO2 na atmosfera!
E o pior é que tenho quase a certeza de que quem visse a cena deporia em tribunal contra mim, porque a distância (da senhora à passadeira) iria encurtar tanto mais quanto mais hipócrita fosse a testemunha! E isto também me irrita muito!

PS: Não foi grande tirada filosófica, mas à falta de uma aia eficiente...

2 comentarios:

Nuno Medon dijo...

olá! Sei bem o que isso é. Quando as pessoas, estão ao pé da passadeira, mas sem antes terem pisado a passadeira, eu passo na mesma, se vejo que tenho tempo. E aquelas pessoas que atravessam para um passeio e a seguir vão para a passadeira, sem sequer olharem para ver se podem atravessar ? ás vezes tb vejo isso....beijos e não fiques chateada com isso! acontece a todos!

Ana paula dijo...

Não diz o ditado:
" Ninguém está de bem com a vida..."

Se parasses estavas a perder tempo, não paras-te foste mal educada. Para a senhora nada ia estar bem.....

Calma e corajem para enfrentar "feras" como estas...

beijinhos